Dicas Naturais, Remédios Caseiros

Receita Natural

Receita Natural

Plantas e Ervas ajudando em sua Saúde

Como Cultivar uma Horta Caseira? Como Plantar em Casas e Apartamentos

Com técnica e criatividade é possível cultivar hortas nos mais inusitados lugares. Grandes terrenos, chácaras ou sítios são locais tradicionais, mas com a urbanização crescente e a modernidade, estes espaços tornam-se cada vez mais escassos. Ao contrário do que muitos imaginam,o cultivo de ervas e hortaliças não exige muito esforço físico. Apenas dedicação e paciência. Trata-se de uma excelente terapia, além de proporcionar alimentos mais saudáveis e melhor qualidade de vida.

Em terrenos relativamente grandes, o preparo da terra exige mais etapas. Em pequenos espaços, o trabalho é bem mais simples. Em vasos, caixas e recipientes variados, o cultivo, embora em menor escala, torna-se mais fácil ainda. Temperos e ervas medicinais podem ser produzidos até mesmo em garagens e apartamentos. Abaixo, confira como cultivar uma horta em casa, seja em casas, apartamentos, etc. Entenda desde o processo de montagem até a escolha das mudas.

Passo-a-passo de montar uma horta

Comece pela escolha do recipiente. Vasos muito pequenos inibirão o desenvolvimento das plantas. Portanto, quanto maior, melhor, mas claro, de acordo com as condições do local. Devem ser furados em baixo para drenar a água. Caso os furos sejam muito grandes, coloque algumas pedras antes de adicionar a terra. Recipientes do tipo jardinheira, de formato retangular e comprido, são os mais indicados. A profundidade necessária, vai depender do vegetal escolhido para o cultivo. As embalagens de sementes, via de regra, vem com instruções para a adubação e o plantio. Algumas, por incrível que pareça, trazem informações equivocadas no que se refere à profundidade em que se deve plantar a semente.

Para não errar, basta usar o bom senso. Imagine que a semente terá que inchar e crescer com força suficiente para romper a terra e, finalmente, germinar. Sementes tem tamanhos e pesos diferentes. Uma semente de alface, por exemplo, tem a proporção de um “pontinho preto” em uma folha de papel. Se for enterrada à meio centímetro de profundidade, por exemplo, não terá a mínima condição de germinar. Já uma semente de girassol precisa deste espaço para poder inchar e romper a terra.

Um ponto importante é utilizar terra peneirada para cobrir a semente. Isso facilitará em muito a germinação. Geralmente, nas cidades, podemos comprar a terra já adubada para o plantio, mas nada impede o uso de terra comum, encontradas em qualquer parte, desde que devidamente preparadas e adubadas. Neste caso, serão necessários alguns cuidados.

Horta Ornamental

Horta ornamental para pequenos ambientes
Fonte pinterest.com

Identifique o tipo de terra

No caso da agricultura, é sempre recomendado que a terra seja analisada em laboratório para avaliar suas características e necessidades de preparo. Em hortas caseiras não será necessário. Pegue com as mãos um pouco da terra úmida (não molhada ou enxarcada) e aperte. Solte a terra, chacoalhe as mãos e verifique: se sua mão ficar bem manchada, cor marrom ou avermelhada, o solo é argiloso. Mãos manchadas, cor bem escura, terra preta, representa o solo humoso. Marrom claro, ou amarelada, com pouca presença de vestígios na mão, solo misto. Se a mão permanecer em sua cor natural, quase limpa, é solo arenoso. O solo calcário, mais encontrado em regiões de deserto, é nitidamente impróprio para a agricultura.

A partir daí, tenha em mente o seguinte: o solo arenoso tem excelente drenagem e as raízes da planta se desenvolvem tranquilamente, porém é um tipo de terra muito pobre em nutrientes e as raízes não terão firmeza. Já o solo argiloso tem características opostas. Possui alguns nutrientes, porém com pouca capacidade de drenagem. A terra enrijece facilmente, dificultando, inclusive o desenvolvimento de algumas raízes. Melhor mesmo é o solo humoso, proveniente de locais ricos em matéria orgânica. Infelizmente, este tipo de solo dificilmente será encontrado na zona urbana.

Prepare a terra para o plantio:

Em vasos, caixotes e outros recipientes, misture 2/3 de terra (argilosa ou humosa), para 1/3 de areia e o adubo. Quanto mais pobre o tipo de terra utilizada, maior será a necessidade de adubação, que também varia de acordo com a espécie a ser cultivada. Terra proveniente de solo humoso, também conhecida como húmus, não necessita de adubo pois trata-se do próprio composto orgânico.

Existem no mercado, vários tipos de adubos. Procure nas embalagens das sementes, qual o mais indicado. Outra opção, seria a compostagem caseira, ou seja, a produção do adubo orgânico com restos de vegetais, cascas de ovos, pó de café e papel utilizados diariamente em todas as casas.

Plantando com mudas

Para quem pretende resultados mais rápidos, existe a opção de adquirir as mudas. Casas do ramo, oferecem opções variadas e prontas para o transplante. Os mesmos locais, geralmente forncem adubos e orientações ao cliente sobre alguns cuidados especiais.

Por fim, vale lembrar que cada espécie possui características próprias de cultivo e aprender sobre cada uma delas é uma tarefa extremamente útil e prazerosa.